semanário 259-260-261-262 ‒ Julho

30.06.-27.07.2015

Campus com edificações em 3D

Campus com edificações em 3D [1]

Sobre nós

  • A partir da edição #262, Marc Gemis, da Bélgica, está com o time alemão do Wochennotiz, adicionando notícias das comunidades belga e francesa.
  • Também estamos felizes em anunciar que Ruben Lopez Mendoza, de Ayacucho, no Peru, está contribuindo em espanhol. Bem vindo, Ruben!

Mapeamento

  • O projeto OpenStreetMap poderá continuar usando imagens aéreas do Bing mesmo depois da Uber assumir o controle.
  • SK53 pergunta no Twitter como etiquetar o novo estilo de torres de alta tensão que a National Grid está usando em Eakring, na Inglaterra.
  • Martijn van Exel anuncia um desafio Maproulette para cruzamentos ferroviários que faltam ser mapeados nos Estados Unidos.
  • A MapBox publicou o guia interno que é a equipe de dados dela usa para fazer mapeamento OpenStreetMap.
  • Yandex, um motor de pesquisa russo que inclui um portal de mapas, agora oferece visualização de ruas. As imagens de rua, mas não o mapa e não as fotografias aéreas, podem ser usadas para mapeamento. (tradução automática)
  • O projeto OpenHistoricalMap constrói mapas do passado usando infraestrutura própria e ferramentas OSM. (via @GuerrillaCarto)
  • Já faz algum tempo, no GitHub é possível visualizar arquivos GeoJSON em camada OpenStreetMap (exemplo). Agora foi adicionado link para o recurso “melhorar este mapa“, da MapBox. A partir dele será possível ajudar a resolver — via iD ou OSM Notes — qualquer erro no mapa.
  • Lá na lista talk-fr tem sido discutida a fronteira entre a França e a Itália, para a área próxima ao monte Branco. A discussão inclusive originou uma outra na lista tagging, sobre como mapear áreas em disputa.
  • Marc Zoutendijk explica como o OpenPOIMap pode ajudar a encontrar POIs com etiquetação estranha. Por exemplo, no canto superior direito do OpenPOIMap, usa-se o quadro “User POIs” para dar início a pesquisa por objetos que estejam marcados com amenity=shop.
  • Em uma série de doze partes, Tlatet analisou a qualidade de POIs no OpenStreetMap, especificamente de pontos comerciais na Inglaterra.
  • Andreas Weber e Dennis Nienhüser, do FZI, um centro independente e sem fins lucrativos, de pesquisa para tecnologia da informação, criaram um sistema para usar em Segway PT que reconhece sinalização de trânsito e envia ao OSM, possibilitando que se faça um mapeamento semi-automático (vídeo).

Comunidade

  • O usuário escada é o mapeador belga do mês de Julho.
  • Chris Rodier introduz sua visualização em árvore do mundo OSM. (via Twitter)
  • edward17 fez relato sobre a tarefa ucraniana semanal n. 18: mapeamento de edificações usando o Task Manager do HOT. (tradução automática)
  • Alex e Michael, dois estudantes, estão consumindo suas férias em viagem pela Alemanha Oriental, para mapear a infraestrutura ferroviária de lá (tradução automática). Veja por onde querem passar.
  • Esri também entrou na onda dos tiles em vetor. Eles apresentaram o Vector Basemap na Conferência Internacional de Usuários Esri. O produto segue a Vector Tile Specification, que é aberta.
  • Após as críticas do último ano, a MapBox melhorou a forma padrão de fazer atribuição nos mapas de seus clientes. Mas Harry Wood questiona o que de fato melhorou. (via Twitter)
  • Jochen Topf escreve sobre anormalidades nas casas decimais de coordenadas de novos objetos OSM.
  • O blog da Mapillary mostra como o reconhecimento de sinalização de trânsito deles baseia-se num algoritmo de aprendizagem e no feedback humano. O usuário marca a sinalização como correta ou errada, e isso aperfeiçoa a precisão da classificação.
  • Três Guias Passo-a-Passo (em inglês) ajudam a introduzir o mundo do OpenStreetMap a pessoas interessadas.
  • O “uniforme do mapeador” agora também está disponível em português.
  • É só coincidência. 😉

Importações

Fundação OpenStreetMap

  • Uma prévia de reunião do Conselho está no OSMF-Wiki, para 15 de junho.
  • A primeira reunião foi realizada em 20 de julho. A ata e uma gravação do áudio serão publicados em breve.

OSM Humanitário

Mapas

  • A usuária ccalista explica no blog dela como os dados do OSM, atualizados, podem ser carregados para teste no OsmAnd via Overpass.
  • Andy Allan propõe (numa issue do projeto OSM Carto) a introdução de regras para aceitação ou negação de mudanças no estilo principal de mapa usado no osm.org.
  • Adrien Pavie publicou o OpenLevelUp, um mapa online de objetos que estejam em pisos de edificações mapeadas internamente.
  • O canal austríaco Der Standard fez matéria sobre a empresa Pentamap, uma spin-off acadêmica gerada no Instituto Geodésico da Universidade Técnica de Graz. Ela desenvolve roteamento fora de estrada para os Alpes, destinado a equipes de resgate e caçadores. Usa-se fotos aéreas, modelos digitais de terreno, e dados do OSM. (tradução automática)
  • [1] A Universidade de Leicester criou um “mapa do campus“ baseado em dados OSM e no OSM Buildings. (via @GISPowered)
  • O website do GPSies foi reprojetado. Leia no blog deles sobre a novidade.
  • Mateusz Konieczny nos apresenta um novo estilo padrão de mapa e pede feedback. Não esqueça de ler no diário dele as postagens anteriores, sobre o mesmo assunto.
  • Na lista de e-mails britânica, do OSM, um tópico sugere que se tenha estilo de renderização específico para o Reino Unido.
  • Omar Ureta experimentou gerar tiles baseados em OSM usando o estilo Stamen-Watercolour, com dados de elevação colhidos da administração regional.

#switch2OSM

  • Eisenbahn-Bundesamt (EBA), a autoridade ferroviária federal alemã, usa OpenStreetMap, no incentivo a participação cidadã.
  • Dados do OpenStreetMap também são usados pelo Facebook, para alguns lugares. Em alguns casos, permutando com outras fontes de dados; e isso provoca falsas mensagens de erro. (via @penorman)
  • Vehrkehrsmanagementzentrale (VMZ), o centro de gerenciamento de tráfego alemão, na Baixa Saxônia, colocou no ar um novo website. Ele mostra engarrafamentos e trechos em obra, de toda a alemanha. O mapa, que pode ser visualizado tanto no desktop como no tablet, é OpenStreetMap.

Dados abertos

  • O Escritório Federal de Metrologia e Topografia da Áustria publicou todos os endereços em detalhe e com extrema precisão. Thomas Ruprecht está em contato com o BEV, solicitando permissão para que o projeto OpenStreetMap possa fazer uso daqueles dados e dos limites administrativos.
  • O Conselho de Ministros Belga adotou uma nova estratégia de dados abertos. Basicamente, todos os registros deverão ser publicados sob licença CC0 até 2020.

Software

  • Como o principal cliente de MapDB retirou-se, Jan Kotek está à procura de novos patrocinadores para o projeto.
  • Michael Zangl fez o primeiro lançamento do seu MapView alternativo para JOSM, baseado em OpenGL. É parte do Google Summer of Code.
  • Você ou sua empresa quer patrocinar o desenvolvimento de coisas novas no QGIS?
  • O desenvolvedor Dennis Nienhüser lançou a nova version 1.11.3 do Marble para Windows.
  • O Geometa Lab, da Universidade de Rapperswil, na Suiça, está trabalhando uma ferramenta de extração de dados OSM para vários formatos: GeoPackage, Shapefile, FileGeodatabase e Garmin (.img).
  • A versão 1.1.1 do OsmAnd portado para iOS foi liberada.
  • O motor de pesquisa geográfica Photon, que é baseado no OSM, agora também suporta geocodificação reversa, ou seja, informar o endereço que corresponde a uma dada coordenada.
  • O usuário Amaroussi, referindo-se ao Potlatch, pergunta no Twitter como lidar com o iminente fim do Flash. Por sorte, ainda nos restarão: ID, Level0, Merkaartor, JOSM, Vespucci e, pasmem, o próprio Potlatch!
  • NGA e DigitalGlobe publicaram em conjunto o Hootenanny, um projeto gratuito e aberto que facilita o manuseio de grandes quantidades de dados espaciais. (via un-spider)
  • MapBox publicou uma versão inicial de um codificador/decodificador minimalista de buffer de protocolo, escrito em C++. (via @springmeyer)
  • MapBox criou um cliente Javascript, para node.js e navegador. São oferecidos serviços tais como geolocalização e roteamento. (via @tmcw)
  • O código de backend do projeto OSRM pode agora ser compilado para Windows, como uma DLL. (via @tdihp)
  • Omniscale publicou uma ferramenta chamada Magnacarto, que pode converter estilos de mapa do formato CartoCSS para o formato Mapnik XML, ou em arquivo de mapa do MapServer.

Você sabia…

  • …da renderização 3D do F4Map?

Outras coisas “geo”

  • Marina Schwab e Daria Kern, da Universidade Aalen, comparam a API do OSM com a API do Google Mapas (PDF em alemão). Aparentemente, o OSM pontua bem, para um público mais jovem.
  • Com o Deep Dream a pessoa pode visualizar redes neurais. E isso também funciona com mapas
  • O MaptimeBER, em Berlim, agora conta com 500 “amantes do mapa”. Parabéns! (via @MaptimeBER)
  • A Universidade de Kentucky tem alguns vídeos abordando o assunto “mapas”.
  • Google deu início a um novo sistema de hardware aberto, o Beacons, que pode ser usado para navegação em ambientes internos.
  • Por que a Uber está comprando empresas de mapa?
  • FixWikiMaps e Nacis anunciam o evento MapLift. Durante a semana de 28 de agosto a 4 de setembro, mapas para artigos da Wikipédia serão melhorados.
  • FATMAP apresentou mapas 3D detalhados e feitos especificamente para esquiadores. (via @mprioleau)
  • Garmin oferece um GPS especialmente projetado para condutores de caravanas.
  • HERE agora tem condições de fornecer dados de mapa altamente precisos que são próprios para condução autônoma. (via @here)
  • O blogueiro geógrafo e matemático Riccardo compara 6 maneiras de criar mapas online.
  • Nokia vende o HERE maps para Audi, Daimler e BMW, por 2.8 bilhões de euros.
  • A MapBox tem desenvolvido uma “correção automática de atmosfera“ para obter imagens mais nítidas e vibrantes do Landsat Live, que é dela.
  • Wired publicou uma matéria a respeito de mapas que os russos fizeram durante a Guerra Fria. (via osmf-talk)
  • Osmocoder é um serviço de geocodificação recentemente desenvolvido pela 123map.
  • O módulo de geocodificação da MapBox agora auto completa nomes de cidades e ruas à medida que você os digita na caixa de pesquisa.
  • MapBox abriu um escritório de desenvolvimento em Berlim. O foco lá será trabalhar o OSRM.
  • O sistema de navegação chinês Beidou-2 recebeu mais dois satélites.
  • As FAQs oficiais dos Estados Unidos da América — sobre GPS 🙂 — são super-interessantes (via @konklone)
  • Wikipedistas suecos ativos construiram um tripé 360° para quatro smartphones, projetado com o intuito de submeterem imagens ao Mapillary.

One thought on “semanário 259-260-261-262 ‒ Julho

Comments are closed.